quinta-feira, 31 de Março de 2011

Tom Ford’s five easy lessons in how to be a modern gentleman


Tom Ford photographed by Jeff Burton for AnOther Man magazine…

1. You should put on the best version of yourself when you go out in the world because that is a show of respect to the other people around you.

2. A gentleman today has to work. People who do not work are so boring and are usually bored. You have to be passionate, you have to be engaged and you have to be contributing to the world.

3. Manners are very important and actually knowing when things are appropriate. I always open doors for women, I carry their coat, I make sure that they’re walking on the inside of the street. Stand up when people arrive at and leave the dinner table.

4. Don’t be pretentious or racist or sexist or judge people by their background.

5. A man should never wear shorts in the city. Flip-flops and shorts in the city are never appropriate. Shorts should only be worn on the tennis court or on the beach.

quarta-feira, 30 de Março de 2011

allways Elizabeth

Potiche


Gostei bastante deste "Potiche", o novo filme do François Ozon. Passado nos anos 70 e ancorado no estilo da comédia de boulevard, o filme relata a reviravolta na vida de uma "dondoca" quando o marido adoece e ela se vê obrigada a tomar as rédeas da fábrica da família cujas greves do operariado ameaçam fazer ruir.
Num tom divertido e com um estilo visual muito retro, o argumento aborda questões fundamentais dos anos 70 como a emancipação e o ingresso das mulheres num mundo até aí eminentemente masculino.
Um cast de luxo encabeçado pela Catherine Deneuve que está perfeita (usando e abusando do seu status de Star) e um truculento Depardieu, o filme rapidamente ganha o ritmo ideal para hora e meia de puro divertimento.

Susan Sarandon: Love is Love

segunda-feira, 28 de Março de 2011

mappamundi

Sexta-feira passada, o pretexto para o nosso almoçinho cultural foi irmos ver a exposição "Mappamundi" e tivemos a presença do JA. Com muletas ou sem, ele está sempre "ON".




Mappamundi reúne artistas que, nos últimos 40 anos, trabalharam o mapa e interrogaram a representação cartográfica para melhor nos tocarem ou nos provocarem.





Mapas para serem lidos ou para serem vistos? Espelho tranquilo ou distorção do mundo? Descrição, evocação, contestação? Longe de exprimirem certezas, estes mapas desenham as nossas dúvidas, os nossos combates e os nossos sonhos.



Os artistas apresentados nesta secção pedem--nos que abandonemos os nossos hábitos, que esqueçamos a legenda.
É preciso deixarmo-nos perder no oceano inquietante
ou nos cumes improváveis, reencontrar um olhar sobre mapas.




CCB - COLECÇÃO BERARDO

Entrada Gratuita

Praça do Império
1449-003 Lisboa
Portugal
Tel +351 213 612 878

domingo, 27 de Março de 2011


NICHOLAS HOULT

Jean Gabin - Maintenant Je Sais

tanto mar


untitled (the Quatrains of Omar Khayyam)
Oil On Canvas by Nasrollah Afjei, 2007

sábado, 26 de Março de 2011

almoçar tarde...


...foi o que fizemos hoje. Sabe tão bem!!!:)
Escolhemos ir experimentar o "ORPHEU CAFFE" aqui no nosso bairro e valeu apena.


Tipo de café: Estilo anos 50, acolhedor, restaurante/bar/sala de chás, convidativo a leitura ou a uma boa conversa de amigos.


Ambiente: Retro - chic (lol)


O melhor: O facto de ser um espaço agradável, calmo em termos de ambiente, boa comida e bom atentimento. Gostámos.


Onde: Praça do Príncipe Real, nº 5
Telefone: 218044499
Horario de Funcionamento: Segunda a quinta, das 10:00 às 24:00. Sexta, das 10:00 às 2:00. Sábado, das 9:00 às 2:00. Domingo, das 9:00 às 20:00.
Preço médio: 15€

sábado de manhã

sexta-feira, 25 de Março de 2011

tenham um fim-de-semana...


...a dois.

Eu sou o número quatro


Aqui há uns dias fomos ver este filme, um Action/Sci-Fi/Thriller sobre um grupo de 9 aliens que fogem para a terra para escaparem a uma perseguição impiedosa dos seus inimigos, os Loriens. O filme não é nada de especial mas vê-se bem e é entretenimento puro e duro sem mais pretensões. E tem o Alex Pettyfer que é giro que se farta e só por si vale a deslocação ao cinema.
Aqui fica o trailer e um eye candy bem merecido.









quinta-feira, 24 de Março de 2011

allways Elizabeth



Há pouco mais de dois meses, Elizabeth Taylor deu a sua última entrevista à Harper's Baazar. Aqui fica ela.

February 9, 2011
Elizabeth Taylor Talks with Kim Kardashian

KIM KARDASHIAN: You are my idol. But I'm six husbands and some big jewels behind. What should I do?

ELIZABETH TAYLOR: I never planned to acquire a lot of jewels or a lot of husbands. For me, life happened, just as it does for anyone else. I have been supremely lucky in my life in that I have known great love, and of course I am the temporary custodian of some incredible and beautiful things. But I have never felt more alive than when I watched my children delight in something, never more alive than when I have watched a great artist perform, and never richer than when I have scored a big check to fight AIDS. Follow your passion, follow your heart, and the things you need will come.

KK: For this story, we were inspired by Cleopatra. What's your advice on how to be a queen?

ET: I have never wanted to be a queen! Cleopatra was a role, and I am an actor, so it was fun to play one, but it's not real. The real Cleopatra had an incredibly complicated life, and she had to be very, very canny to survive as long as she did. For me, the most interesting thing about her was her passion. The things that are important to me—being a mother, a businesswoman, an activist—are all things that were borne out of great passion.

KK: I am a huge Elizabeth Taylor nerd, as will now become clear. You have the world's most iconic jewelry collection. Of your three most famous diamond rings— a 29.4-carat from Mike Todd, the Krupp diamond at 33.19 carats, or the Taylor-Burton 69.42-carat diamond—which one meant the most? Does size matter?

ET: The Krupp is an extraordinary stone. It has such life and brilliance when light shines through it. Size does matter, but so does the size of the emotion behind it.

KK: What has been your greatest jewelry adventure?

ET: I have had many. I was especially thrilled to buy the Prince of Wales plume pin at the 1987 auction of the jewelry of the Duchess of Windsor. Richard and I had once admired it, so much so that he asked the duchess if he could copy it for me. She very graciously agreed, but we both felt weird about it, so we didn't. And then when it finally came up for auction, I really felt I wanted to have it in my collection—because I admired her great style so much, because Richard had wanted me to have the brooch, and, frankly, because the money from the sale went to support AIDS research. I bid from my house in L.A., and when they told me I had won it, I thought, Yes, this was really meant to be in my care, at least for a while.

KK: What are your personal favorite looks, on- or offscreen?

ET: I loved the Edith Head lavender dress that I wore to the Oscars in 1970. It was designed around the Taylor-Burton diamond. Some of the Cleopatra costumes were fun—they even had real gold threads—and I wore them as evening dresses afterward! I also loved some of the great caftans that I wore in the '60s and '70s with big sunglasses and major jewelry. I love to be casual and comfortable, but I also love the easy glamour of wearing jewelry all the time.

KK: It is coming up on the 20th anniversary of your classic fragrance, White Diamonds. Could you have imagined it would do so well? How does a lady smell good for life?

ET: I always wanted to have a fragrance, and I always wanted to be able to connect with people in ways other than through film. Fragrance is an incredibly intimate thing. It can evoke very specific thoughts or memories and is a little different for each person who wears it. I also think it's the most accessible luxury. I had no idea that White Diamonds would become a classic when we began, but I am thrilled it has because it means we have really succeeded in giving women a little bit of luxury every day. It is very special to me, and we certainly plan to celebrate this anniversary all year!

KK: You have starred in movies with some of the dreamiest men of all time: Rock Hudson, Montgomery Clift, Marlon Brando, James Dean, Paul Newman, Michael Caine, and Warren Beatty. Who else would you have loved to work with?

ET: I love Johnny Depp, and I love Colin Farrell—both brilliant, nuanced actors with great range.

KK: Do you think if Richard Burton were alive today, you'd be married to him?

ET: It was inevitable that we would be married again, but it's not up for discussion.

KK: You have always been ahead of your time—and now you're on Twitter. What do you love about it? And [cheekily] will you please follow me?

ET: I like the connection with fans and people who have been supportive of me. And I love the idea of real feedback and a two-way street, which is very, very modern. But sometimes I think we know too much about our idols and that spoils the dream. So, like all things, it is to be used with care! Yes, of course I'll follow you, love.

Kim Kardashian Talks With Elizabeth Taylor - Harper's BAZAAR

Resim hosting: UploadEdit.com

quarta-feira, 23 de Março de 2011

RIP - Elizabeth Taylor (1932-2011)

Eu estou devastado e o mundo do cinema está de luto. A última verdadeira estrela do mítico Star System morreu hoje aos 79 anos. Era uma mulher de uma beleza ímpar e de um talento extraordinário, com um lugar bem marcado na história do cinema. Todas as palavras são poucas para descrever a sua vida repleta de tudo o que há de melhor e de pior. Era a minha actriz favorita. Morreu a mulher, mas abriram-se ao mito as portas da eternidade.
Até sempre Elizabeth.






terça-feira, 22 de Março de 2011

mãos



Casa do Alentejo


Sexta-feira passada eu e a PM tivemos almoçinho cultural e desta vez decidimo-nos por uma visita à Casa do Alentejo, mesmo no centro de Lisboa. Um espaço surpreendente, com uma mistura de estilos diferentes e que já foi um casino, o que explica a decoração barroca das salas nobres.


Construído possivelmente nos finais do século XVII, o edifício onde hoje se encontra instalada a Casa do Alentejo sofreu profundas modificações no princípio do século XX.

Da sua história mais antiga pouco se sabe. Apenas que pertencia a uma família aristocrática – os Paes de Amaral (Viscondes de Alverca) – de quem adoptou o nome de Palácio Paes de Amaral ou Palácio Alverca, cuja propriedade vem até aos nossos dias.
No sítio onde lança as fundações, existira antes, nos meados do séc. XV um curral de porcos. Depois, instalou-se aí um matadouro "onde se matava o gado vacum"; em seguida, uma fábrica de curtumes e, finalmente, seria o local onde se "depositavam animais de carga que fossem encontrados nas ruas". É deste "chão" que se irá apropriar, em 1919, o "Magestic Club", um dos primeiros casinos de Lisboa. Ao cimo das escadas e transposta uma "porta árabe com vitrais, vêm-nos à mente as visões fantásticas das mil e uma noites e entra-se no pátio central, com tal profusão de elementos decorativos, que logo o classificamos no estilo árabe puro Hispânico"


Em tempos já mais recentes aí funcionou um liceu, talvez o primeiro de Lisboa e, na altura da sua adaptação a casino, nele se encontrava instalada "A Liquidadora", armazém de mobiliário e objectos de arte. Por motivos que desconhecemos, o "Magestic" adopta mais tarde o nome de "Monumental Club" que, já sem as suas luxuosas salas de jogo, se mantém até 1928.

Em 1932 é arrendado ao "Grémio Alentejano", posteriormente "Casa do Alentejo", que recentemente adquiriu o imóvel aos proprietários descendentes dos fundadores.


O Hall do 2° andar constitui de novo uma surpresa. Abandona-se subitamente o "árabe" e passa-se a um neo-dórico nos capitéis das colunas e nas paredes, decoradas com medalhões representando cabeças femininas. À esquerda deste hall, passamos para o salão de maiores dimensões de toda a Casa: o Salão Restaurante ou "Luís XVI ".





Num dos extremos e separando este salão da sala de jogo, encontra-se o palco, ladeado por figuras alegóricas, da autoria do escultor José Isidoro Neto. Este palco não tinha nesta data a posição que tem hoje, encontrando-se sobrelevado. Tem a particularidade de permitir a abertura para os dois salões. Uma tela de Júlio Silva ainda se mantém no pequeno hall de acesso ao bar, no lado da fachada principal.



Ultrapassando este palco, entramos então no "Salão de Jogos", menor que o anterior, decorado com motivos relacionados com o jogo, pois nele se situava o "coração" do casino: a roleta e os outros jogos clássicos. "Em estilo livre, uma neo-renascença (...) que procura emancipar-se de fórmulas, convenções e preceitos de outros tempos". Toda a pintura a óleo, incluindo o tecto que representa "A Fortuna", é da autoria de outro pintor da época, Domingos Costa.
Informação via "Cadernos da Casa do Alentejo" de Guilherme Alves Coelho

Casa do Alentejo
Visitas gratuitas.
Rua Portas de Santo Antão 58
Lisboa
Telefone 213405140