segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

i love the nigthlife

Para não ficarmos deprimidos agora que anoitece à seis da tarde, o melhor mesmo é começar a curtir a noite mais cedo.

b&w

"As aventuras de TIN TIN - O segredo do Licorne"

Ía com o pé atrás, mas afinal gostei. O universo gráfico dos livros está bastante bem recriado e os personagens são fiéis aos criados pelo Hérge. Embora o argumento se centre no "O segredo do Licorne", há vários livros metidos ao barulho, sem que no entanto, isso prejudique o argumento, favorecendo por vezes a truculência das situações. De qualquer forma, deu-me a sensação de um Spielberg em piloto automático, sobretudo nas sequências de acção, que embora boas, nos fazem lembrar irremediavelmente a série dos "Saltedores". Escolhi ver a versão 2D (estou farto do 3D, em que na maior parte das vezes é gratuito e em nada ajuda à narrativa) e foi uma bela surpresa pelas suas cores limpas e vibrantes. Esta versão é também falada em francês, o que foi uma boa surpresa.

lição de pintura - Edward Hopper

"Soir Bleu"

domingo, 30 de Outubro de 2011

sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

sexta à noite

Tenham um fim de semana apaixonante. No mínimo. ;)

torso

curto ou comprido?

Veolia Água Fotógrafos da Natureza 2010

Hoje foi dia de almocinho cultural e eu e a minha amiga PM escolhemos esta exposição patente nos Museus da Politécnica. A exposição tem excelentes fotografias e está bem montada, as fotos são apresentada em caixas de luz numa sala escurecida, o que ajuda a valorizar cada uma delas. O único senão é o preço - 4 euros - mas tendo em conta que o bilhete dá acesso ao museu e a pelo menos mais duas exposições, esse factor esbate-se.
Desde paisagens espectaculares e arrebatadoras a retratos íntimos do comportamento animal, a exposição «Fotógrafos da Natureza » oferece uma perspectiva ímpar da beleza, do drama e da diversidade do mundo natural. Propriedade do Museu de História Natural de Londres e da revista BBC Wildlife, a exposição é uma mostra de fotografias do mais alto nível, sublinhando a conservação da vida selvagem e inspirando o amor pela Natureza. Todos os anos, o Museu recebe milhares de inscrições. Após a avaliação por parte de um painel de especialistas, as imagens vencedoras passam a integrar a exposição. Em todo o mundo, fotógrafos da natureza, tanto profissionais como amadores, ambicionam vencer este concurso. A fotografia perfeita depende do conhecimento da Natureza, da competência técnica, da criatividade, da paciência e da paixão.
Museu Nacional de História Natural e da Ciência Universidade de Lisboa Rua da Escola Politécnica, 56; de 29 de Setembro de 2011 a 30 de Dezembro de 2011. Horário: 3ª a 6ª das 10h-17h, Sábado e Domingo das 11h-18h, Encerra à 2ª e feriados.

quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

terça-feira, 25 de Outubro de 2011

segunda-feira, 24 de Outubro de 2011

technicolor

sequoia

Apparently this is the world’s tallest tree (sequoia) taken by the talented photographers of National Geographic. At first glance I didn’t think it was that tall but when I realized that those colorful dots all around the tree where people, I was amazed.
A giant sequoia log, Sequoia National Park, California, undated, c1910.

always Elizabeth

lição de pintura - Edward Hopper

Room by the sea

de costas

sábado, 22 de Outubro de 2011

sexta-feira, 21 de Outubro de 2011

yupiii! chegou o fim de semana!

Façam o favor de se divertirem.

useless

Hoje eu a minha amiga PM tivemos almocinho cultural e escolhemos ir ver a exposição "Useless" no âmbito da ExperimentaDesign.
Fruto de décadas de uma produção altamente especializada para responder às necessidades de um quotidiano cada vez mais complexo, vivemos cercados de milhares de objectos cuja utilidade está hoje mais que nunca em causa. A crise dos mercados, a problemática energética, a nova ética da sustentabilidade económica, social e ambiental, estão a empurrar a sociedade contemporânea para um questionamento aprofundado daquilo que é, finalmente, útil. E por útil entenda-se necessário, pertinente, passível de cumprir uma função. Quase automaticamente, esta condição ou estado de útil é convertida em apreciações éticas ou de um “moralismo projectual” – o útil é bom, é positivo, é uma mais-valia, é pertinente e desejável
Useless? Uma Perspectiva Explodida, de Jonathan Olivares (US), centra-se nos efeitos e impactos dos objectos, na sua génese e operacionalização junto de indivíduos e contextos, enquanto Useless? A Procura da dupla Hans Maier-Aichen (DE) e Max Bruinsma (NL) expõe e critica as lógicas tirânicas da economia de mercado e como estas na realidade ditam, em vez de seguir, a funcionalidade intrínseca dos objectos e utilidade daí decorrente. Situando-se na génese do objecto, A Procura denuncia a forma como o processo projectual está constrangido por previsões e cálculos de natureza financeira dos quais a utilidade se torna uma função. Por seu turno, Uma Perspectiva Explodida centra-se na fase posterior da sua existência, analisando o desempenho e repercussão alargada do objecto enquanto unidade funcional e material num contexto espacial e temporal. Useless? coloca várias questões, pondo em causa a utilidade e a sua relação com a funcionalidade e a relevância – real ou fabricada – dos objectos que nos rodeiam. (texto do site da exposição)
A exposição é interessante sobretudo para quem gosta de interpretar conceitos e de sociologia. No MUDE - Museu do Design e da Moda Rua Augusta, 24 1100-053 Lisboa até 27 Nov - entrada gratuita

avalanche

Duras

“Se trouver dans un trou, au fond d’un trou, dans une solitude quasi totale et découvrir que seule l’écriture vous sauvera. Être sans sujet aucun de livre, sans aucune idée de livre c’est se trouver, se retrouver devant un livre. Une immensité vide. Un livre éventuel. Devant rien. Devant comme une écriture vivante et nue, comme terrible, terrible à surmonter. Je crois que la personne qui écrit est sans idée de livre, qu’elle a les mains vides, la tête vide, et qu’elle ne connaît de cette aventure du livre sèche et nue, sans avenir, sans écho, lointaine, avec ses règles d’or, élémentaires : l’orthographe, le sens.” Écrire, Marguerite Duras (extrait)

sombras e luz