sexta-feira, 20 de abril de 2012

PIXEL II - CONCURSO DE PEQUENAS HISTÓRIAS LGBT

Como muitos já devem saber, está a decorrer entre 10 e 30 de Abril, o 2º PIXEL, CONCURSO DE PEQUENAS HISTÓRIAS LGBT, organizado pelo Sad Eyes do blog "Good Friends Are Hard to Find" que desta vez é subordinado ao tema “Aquele abraço”.
Aconselho-vos a darem uma vista de olhos ao site do Sad Eyes pois já foram publicadas vinte e tal histórias muito interessantes. Pode ser que assim se animem a participar com um pequeno conto.

Deixo-vos aqui a história com que participei.


                                                           


COMO NO CINEMA 


Sentado no táxi em direcção ao aeroporto e ainda tudo me parecia mentira. Ouvia o trânsito desfilar lá fora mas aquilo era mais um filme mudo ao som de Bach.
E eu tão calmo, tão tranquilo, quase suspenso. Na minha cabeça corriam mil imagens tuas e mil imagens nossas.
Finalmente tínhamos dado o passo, largámos tudo e íamos fugir. Que ironia, tínhamos que ir para longe para estar perto um do outro.

Com os bilhetes de avião no bolso da camisa junto ao coração aos pulos entrei no hall do aeroporto e olhei em volta à tua procura. Nada, ainda não tinhas chegado.
Puxei as malas para um canto e pus-me a olhar para a entrada.
Fixava as portas automáticas que abriam e fechavam e imaginava ver-te entrar. Afinal de contas, este era o plano de abertura de um filme só nosso e não queria perder aquele início por nada deste mundo.

Entrou um grupo de turistas barulhentos que rapidamente desapareceu. Olhei para o relógio, a porta fechou-se, voltou-se a abrir num ápice e ali estavas tu.
Entraste em meia contra-luz, com o cabelo a brilhar do sol, qual elegância de Adónis atrapalhado com as malas. Correste para mim, parecia que estavas em slow-motion como nos filmes. Parámos frente a frente e abrimos os braços para um abraço tão forte e apertado que perdemos a noção do tempo.

Foi perfeito como no cinema

6 comentários:

  1. Agradeço a divulgação (e mais ainda a belíssima participação).
    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O prazer é todo meu. Como percebeste a história foi directamente inspirada no teu abraço mas achei graça fazer uma variação: não uma chegada, como suspeito que foi o teu, mas uma partida.

      Aquele abraço.

      Eliminar
  2. Já comentei o teu texto no blog do Sad eyes.

    ResponderEliminar
  3. Belíssimo texto e muito bem escrito. Os momentos, os sentimentos, as sensações (quase, quase conseguimos ouvir as batidas daquele coração alvoraçado...), o suspense, ficamos pendentes do encontro, acontecerá ou não acontecerá? Brilhante! Gostei mesmo muito. Estás cada vez melhor a escrever! Beijinho

    ResponderEliminar