quinta-feira, 22 de agosto de 2013

boycott!


Wentworth Miller assumiu esta quarta-feira (21) a sua homossexualidade.
O ator de «Prison Break» recusou participar no Festival Internacional de Cinema de São Petersburgo devido à forma como são tratados os gays na Rússia. «Como homem gay, devo recusar», escreveu o ator numa carta publicada no site da organização americana GLAAD, que trabalha pela igualdade de direitos de homossexuais, lésbicas e transexuais.
O ator tinha sido contactado pela diretora do evento russo, Maria Averbakh, para ser «convidado de honra» do festival. «Estou profundamente perturbado com o tratamento que é dado aos homens e mulheres gays pelo governo russo. A situação não é aceitável e eu não posso participar numa celebração organizada por um país onde pessoas como eu têm negados os seus direitos de viver e amar abertamente», acrescentou.
Atualmente com 41 anos, Wentworth Miller ganhou fama ao dar vida a Michael Scofield nas quatro temporadas da série «Prison Break».

YES!!!!!

24 comentários:

  1. Rss...
    Eles andem em todo o lado.
    Curioso é ver um gigante boicotado por uma (imensa) minoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma imensa minoria que se quer bem 'expressiva'

      Eliminar
  2. Boas noticias para todos os jovens gays em busca de modelos positivos. Uma atitude corajosa e digna a propósito do Jogos Olímpicos e da homofobia de Estado in-acei-tá-vel na Rússia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exemplos destes são cada vez mais precisos e espero que o boicote aos russos seja efectivo em todos os acontecimentos internacionais.

      Eliminar
  3. Já há muito que se dizia que ele era homossexual e que namorava com o Luke Mcfarlane. Mas fico contente por agora ele ter perdido o medo de se assumir.

    A Rússia anda a dar muito que falar. No outro dia, o Stephen Fry enviou uma carta ao primeiro ministro inglês para boicotar os Jogos Olímpicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia, o Luke tem muito bom gosto e vice versa :)

      Grande Fry! Li tudo sobre isso e era bom que os ingleses boicotassem os jogos porque aquilo que se está a passar é inadmissível.

      Eliminar
  4. 41 anos? meu deus............ quem me dera chegar à idade dele assim....... amem.

    ResponderEliminar
  5. Apoiado ;) ele pode vir a Lisboa ;)

    Abraço amigo Arrakis e continuação de uma excelente 5ª feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode vir quando quiser que nós recebemos-lo de braços abertos :)

      Eliminar
  6. Adoro-o desde que entrou nos videoclipes dos singles (maravilhosos e que arrasaram nos tops de todo o mundo, diga-se xD) "It's Like That" e "We Belong Together" da Mariah. :)

    Sim, já desconfiava, bem como desconfio deste que participou agora no novo single da Mimi, #Beautiful: o Miguel.

    abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia, vou já ao youtube ver os clipes :D

      Eliminar
    2. Gostei! Situação dificil a da Mariah, entre o Wentworth e o Eric Roberts, eu não saberia qual escolher :D
      A Mariah está especialmente diva no 'It's like that' :)

      Do Miguel nunca ouvi falar...

      Abraço Mark.

      Eliminar
  7. não era segredo. tem um low-profile, mas por este facto, merece um aplauso. o que a Rússia está a fazer é execrável.
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande aplauso mesmo! :)
      É uma vergonha, espero mesmo que haja um boicote a nível mundial.
      Bjs.

      Eliminar
  8. Mais que a atitude sempre louvável de uma figura pública sair do armário (uma coisa é o "diz-se que" e outra é o próprio afirmar), o que realmente é importante é a forma e o modo com que utilizou essa sua declaração de que era gay.
    Estas tomadas de posição são muito importantes para combater a homofobia das autoridades russas e juntaram-se a outros actos muito interessantes ocorridos nos mundiais de atletismo.

    ResponderEliminar
  9. Certamente que ele não se importou de expor a sua privacidade perante esta situação, e é isso que é importante e de louvar.
    Aplausos.
    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, essa foi a grande diferença e com repercussões muito positivas, numa altura em é preciso denunciar os abusos dos russos contra a comunidade lgbt.
      Abraço.

      Eliminar