sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012

amour




Fui ver e saí de lá cilindrado. É como se desfolhássemos as últimas páginas de uma historia de amor ao som do que ela tem de mais terrível: a velhice e a morte.
A realização milimétrica aproxima-nos daquelas duas personagens de uma forma quase obscena mas isso dá ao filme uma enorme força. Para além de levantar inúmeras questões incómodas para as quais não queremos olhar, brilhantemente sintetizadas na personagem da filha.

Não é um filme bonito de se ver,
mas é um grande filme.

11 comentários:

  1. se é. fartei-me de chorar, agora percebo o comportamento da minha mãe, então. mas, mesmo assim, só passando por essa situação, e não apenas como filhos...
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assistires à morte de quem amas deve ser o maior dos pesadelos...

      Eliminar
  2. Alegro-me por encontrar alguém que já viu este filme.

    Estou para arranjar tempo de qualidade para o ver; então agora com esta apreciação tua...

    Das maiores certezas que temos, à velhice ninguém escapa; só mesmo através da morte. O amor, por vezes, escapa a um e não resiste ao outro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tudo isso e muito mais. Vai ver porque não tenho palavras para tanto.

      Eliminar
  3. Se já tinha curiosidade em ver agora fiquei com ainda mais. :P

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. É um valente murro no estômago, mas de visão obrigatória.

      Eliminar
  5. Eu ainda não vi, mas estou absolutamente convencido que é um dos grandes filmes do ano.

    ResponderEliminar
  6. Fui pesquisar o trailer e já estou siderado.

    ResponderEliminar